terça-feira, 3 de maio de 2011

Escondidinho

Eu sinto saudade. Saudade do que ainda nem somos e quiçá jamais seremos. A minha viagem é você. Uma viagem sem estrada ou caminho. Prazerosa. Uma viagem desatino. Que me arrancou da inércia, deu-me movimento. Meus sentimentos dançam incessantemente no silêncio. Dei para ouvir música e sentir ritmo na ausência profunda de sons. E poucos atingem tal percepção! Você mexeu comigo. Você, meu devaneio preferido. De me deixar estarrecida. Úmida. Agitou-me, assim, sem mais nem menos. À segunda vista. Ainda não sei bem no que reparei. Só sei que flutuei.Um capricho repentino que achei que logo logo cessaria. Não cessou. Se eu lhe confessasse tal vontade, atestar-me-ia loucura, eu sei. Eu finjo. Finjo que não sei. Mantenho-o escondidinho, dentro de mim.

5 comentários:

  1. Sorte que quem se mantém escondido ali dentro... ;)

    ResponderExcluir
  2. Lhe confessaria uma vontade ainda maior... Ah se fosse eu!

    ResponderExcluir

Porque quem comunica se trumbica.